quarta-feira, 3 de junho de 2009

Uma Questão de Fé... ou não.


Não consigo compreender. Tento, vou voltas e mais voltas mas não. Não me é possível compreender como é que existem pessoas que preferem estar em constante sofrimento em prol da comida ou porque o médico não aconselha fazer a dieta sem amido.

Não os julgo, nada disso. Só tento perceber o seu ponto de vista.

A dieta sem amido (ou com pouco amido, como a que eu faço) é a solução para uma grande parte de espondilíticos. Está provado. Cientificamente, mas não só. São inúmeros os espondilíticos que seguem este regime alimentar. E estão bem. Porque lhes foi devolvida a vida.


Mas existem os espondilíticos que não querem nem ouvir falar da dieta sem amido. Porquê? Uns dizem que gostam de comer, outros porque o médico não aconselha...

Hoje, uma amiga - lá no fórum - disse-me que foi a minha fé que me curou. Acreditei muito e, por isso, o meu cérebro ajudou na cura.

Não. Infelizmente, não foi a minha fé. No verão de 2006, perdi toda a minha fé.

Num só mês perdi uma das minhas melhores amigas (que ainda hoje me faz muita falta), separei-me do meu companheiro (de há dez anos, porque ele não tinha paciência para enfermeiro), a minha família "virou-me " as costas (porque eu era uma preguiçosa oportunista que queria viver às custas dos meus pais), perdi o meu trabalho (que eu adorava), perdi a grande maioria dos meus amigos (ficaram dois), perdi a minha casa (que significava tanto para mim e para a qual tinha trabalhado tanto)... e, pior de tudo: foi-me diagnosticada a Espondilite Anquilosante.

Fé? Onde? Para onde é que foi a minha fé? A minha falta de fé levou-me ao desespero. Quis morrer... tentei morrer. Não consegui.

Um ano depois conheci o meu marido. Graças a ele descobri esta dieta. Não acreditei, sinceramente, que uma simples dieta fosse fazer o que fosse. Mas, como estava em casa, sem fazer nada - porque não podia sequer mexer-me com as dores alucinantes que tinha - resolvi fazê-la.

Vou fazer uma confidência: o meu marido disse-me que eu jamais conseguiria fazer a dieta porque eu dependia, não só fisicamente como psicologicamente, da comida (nisto, ele tinha razão...). Eu sou do signo Touro, sou teimosa como ninguém. Tinha que lhe provar que conseguia fazer a "treta" da dieta!

Pouco tempo mais tarde, acordei sem dores. Eu estava incrédula... um dia sem dor, há tantos anos... nunca me tinha acontecido. Eu estava mesmo sem dores...

Não percebia o que se estava a passar até que minha mãe pergunta-me: "não será da dieta?"

Seria? Não acreditei muito... não, deveria ser outra coisa qualquer. Por favor: a espondilite, uma doença tão grave... uma dieta??? Não.

Pensei assim durante bastante tempo, até que tive que aceitar que sim... era a dieta.

Hoje, posso dizer que a minha fé está, novamente, comigo. Acredito que foi a minha "mãe do céu" que pôs António no meu caminho. Acredito que os meus guias, os meus anjos da guarda me ajudaram a encontrar a dieta. Não tenho qualquer dúvida disso. E estou-lhes muito grata por isso. Agradeço todos os dias essa graça.

Mas... na altura, não foi a fé que me salvou. Foi uma simples dieta.

Sem comentários: