sábado, 17 de novembro de 2007

Ser feliz é...

"Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história."

PESSOA, Fernando


Finalmente, começo a compreender. É muito fácil, para uma pessoa, "afundar-se" na sua auto-comiseração. Foi o que aconteceu a mim.

Há cerca de ano e meio, a minha vida começou a desmoronar-se. Tudo aquilo que tinha conseguido erguer... caiu por terra. Uma doença crónica, degenerativa e incapacitante é diagnosticada (tardiamente) e tudo mudou.

Foi difícil compreender, aceitar e aprender a viver com a ideia que, além de ter uma doença complicada, esta iria piorar... até ficar incapacitada!

E o meu trabalho? Os planos que tinha para a minha vida? E... jamais poderei ter filhos. O meu sonho, ser mãe, acabara aí, nesse dia.

Durante dois meses, não fiz outra coisa senão, chorar.

Até que resolvi ir à luta! Voltei estudar: entrei na universidade e entreguei-me "de corpo e alma", ao meu curso! Contudo, faltava muitas vezes. Ficava a maior parte do tempo, acamada. As dores aumentavam, à medida que o ano passava, à medida que os estudos exigiam mais dedicação. Não desisti. Continuei até ao fim.

Este ano, em Setembro, apercebi-me - finalmente - que não conseguiria continuar neste ritmo. Passei todo o ano, em casa, a estudar. Não saía, senão para ir às aulas. Porém, não consegui fazer alguns exames (tive algumas crises que me deixaram acamada). No fim do ano lectivo, revi os últimos meses e cheguei à difícil conclusão: estava na hora de parar.

Se já me encontrava debilitada psicologicamente, com esta decisão, a depressão tomou conta de mim. Desisti do curso, da vida... andava no mundo por andar.

Mas... com a preciosa ajuda de uma pessoa que, sem me aperceber, entrou na minha vida e no meu coração, reencontrei a vontade de viver. Ensinou-me muito: como lidar com esta doença - ele já tinha passado por algo um pouco pior; como procurar viver o dia a dia... e, o mais importante, ensinou-me a procurar a cura!

A cura? Mas esta doença é incurável! Pois, mas a doença dele - Doença de Crohn - também era e, não obstante, ele conseguiu curá-la! Eu dizia-lhe que jamais conseguiria... eu não tenho a sua força de vontade, a sua persistência. Mas, ele não desistiu enquanto eu não "acordei do sono" em que eu estava imersa.

E, conseguiu!

Com a sua ajuda, pesquisei, li muitos livros, procurando soluções para esta doença. Encontrei muita informação, da qual eu não tinha qualquer conhecimento.

Os médicos, em Portugal, são na sua grande maioria, uns prepotentes. Por tal, ninguém me explicou o que é a Espondilite Anquilosante. O mais grave: quem sofre de EA tem, obrigatoriamente, de fazer exercício diariamente (para atrasar a evolução da doença). Esta é uma das razões pelas quais temos o direito à informação!

Felizmente, temos a Internet! Para, desespero dos "Srs. Drs." (estão a perder o poder que exercem) informação já não é só deles.

Já comecei o planeamento da minha auto-cura: dieta, suplementos, exercício físico, tratamentos alternativos...

Agora... só falta pôr em pratica!

Sem comentários: